1.26.2008

RETRATO 3 POR 4

Reenquadre-se
De corpo inteiro
Dentro de um retrato
3 por 4.

Perceba-se
Tristeza e alegria
Tudo e nada que lhe pertence
Cabe no retrato 3 por 4.

A moldura são os outros
Seu ganha-pão
Seu perde e ganha
Nesta vida 3 por 4.

Dentro da foto
Dentro das paredes
Sob teto e chão
Do retrato 3 por 4

É você.
É aquilo de que você realmente gosta
O que você venera e admira
Quem você realmente quer - e quer bem.

A profundidade -
Suas múltiplas dimensões
Sem frente nem verso
Nem pra frente nem pra trás

O espaço em que você transita
Sem começo nem fim
Sem finalidade
Sem rumo -

É você.
Saindo pra fora da moldura
Que envolve seu corpo
Numa foto 3 por 4.

Reinvente-se
E caia fora
Para frente ou para trás
Do retrato de corpo inteiro

Da moldura
Dos limites
Desta vida 3 por 4.

3 comentários:

Adriana Prates disse...

É, Mario.
talvez muitos de nós ainda hoje, num contexto tão dinâmico, vivemos na cômoda "vida 3 por 4".
Mas... como sempre, alguém aparece e sugere uma mudança, uma alteração, uma "reinvenção".
Agradeço ao convite, pois não quero fazer ser mais uma a viver uma "vida 3 por 4".
Valeu!
Vamos lá!!!

Silvio José Benevides e Maia disse...

Salve, Mario, voce fez a representação poética das circunstâncias da vida sacudindo o ser, para fazê-lo andar. Abs.
Silvio José

Anônimo disse...

Caro Mário,

Teu "...3 x 4" é uma exortação à busca da profundidade, à terceira [quarta, quinta,...] dimensão, para escaparmos do limite, da finitude, da desesperança. Para buscar o apoio e a confirmação de outro poeta, o caminho parece estar no ato:

"Cantando al sol como la cigarra
después de un año bajo la tierra
igual que sobreviviente
que vuelve de la guerra..."

Um abraço,
Aldo