4.02.2019

ESQUERDA E DIREITA


Como todo mundo dá palpite sobre esse tema, eu também vou dar o meu. A dicotomia Esquerda e Direita com significado político surgiu na época da Revolução Francesa. No Parlamento Francês, à esquerda ficavam os jacobinos, contrários à monarquia e seus privilégios; à direita, os girondinos, partidários da nobreza, logo, conservadores. Deste lado o conservadorismo “de direita” e do outro liberdade, igualdade, fraternidade “de esquerda” – como visto, meras alusões às posições respectivas na Assembleia Nacional da França do século XVIII. Cerca de 80 anos depois, Marx desenvolveu suas teses contra o capitalismo, e capital é algo que os que o têm no mínimo não o querem perder, logo, são conservadores. Dois passos atrás, a Revolução Gloriosa transferiu poderes da monarquia para o Parlamento Inglês, e neste caso saiu vitorioso o liberalismo, que ninguém à época poderia classificar de esquerda ou direita, pois a Revolução Gloriosa na Inglaterra precedeu em 100 anos a Francesa. Como o liberalismo se baseia na ação individual e o comunismo e o socialismo na coletiva, estes se consolidaram como representativos da esquerda, e o liberalismo foi para o lado da direita. Chegamos ao século XX. Gramsci, marxista, é preso pelo fascismo, até morrer. Preso também foi Norberto Bobbio, então simpatizante do marxismo, que escapou com vida por se ter desculpado perante o fascismo. Vários outros episódios ficaram na História a não deixar dúvidas de que o fascismo se contrapôs ao comunismo - e se este está à esquerda, o fascismo está à direita, e direita nacionalista, com grande peso estatal em tudo: nos negócios, no direito, nos costumes. Nem por isso se torna de esquerda, pois que combate o comunismo, sendo que este, naqueles tempos, praticamente eliminava a iniciativa privada, de novo contrapondo-se ao liberalismo e ao capitalismo – este, no caso do fascismo, fortemente estatal. Com o nazismo não foi diferente, acrescentando porém o arianismo, a ideia da supremacia branca alemã. Assim, não me parece difícil percebermos que: (1) nazismo e fascismo foram e são “de direita”; (2) estão mais à direita do que o liberalismo está em relação ao comunismo, e por isso, nazistas e fascistas usualmente se autoproclamam de ultradireita (o atual presidente do Brasil assim se referiu a si e ao seu partido PSL ao a ele se filiar); (3) como o conceito político de “esquerda” surgiu antes do comunismo, este não pode ser considerado como a única forma de “esquerda”; daí uma das razões de o comunismo totalitário ser considerado de ultraesquerda. Mas, alguém poderia perguntar, não existe vida entre essas posturas e definições? Algo que se possa chamar “Centro”? Voltemos a Norberto Bobbio, que em seus últimos anos se disse a favor do socialismo liberal, como consta da página web do seu contemporâneo, nosso Miguel Reale – que em contraponto disse preferir o liberalismo social, enfatizando porém que seria o Centro o único capaz de apaziguar as disputas ideológicas. Mas no Brasil tudo é diferente. Quem se autoproclama ultradireita defende o liberalismo; o Centro vira “centrão”; uma dada, suposta religião invade o poder, em um país laico; e quem disse o exato oposto ao que dizem historiadores, pesquisadores, testemunhas, e, como eu, amadores, não só foi aprovado pelo Itamarati como ocupa o cargo de chanceler. Poeta Carlos, você foi ser gauche na vida. E nós, poeta? O que seremos e o que será de nós?

3.09.2019

FUTEBOL, UMA DOENÇA INCURÁVEL


Futebol é uma doença incurável adquirida na infância. Não que eu seja nostálgico ou saudosista, mas, como todo mundo, gosto de lembrar de coisas boas. Quando as ruins aparecem, é só levá-las ao encontro do seu bem mais querido: o esquecimento. Se o esquecimento nos lembra que tem memória, trabalhamos, vemos alguém interessante passar, ou então é o cachorro que faz xixi no lugar errado, e tristeza e esquecimento se vão de mãos dadas, aonde, ninguém quer saber.

Eu já morava no Leme, tinha onze-doze anos, e ia, de ônibus, com meus amigos Humberto Rodrigues de Sá e seu primo Luiz Fernando ao Maracanã. Os três sozinhos. Havia menos gente, a ganância de uns e a ignorância de tantos (imposta pelos tais uns) ainda pouco se esbarravam. Fomos, por exemplo, ver a decisão do campeonato carioca entre Botafogo e Bangu. Eram seis times grandes no Rio: os dois citados, mais Flamengo, Fluminense, Vasco e América. No ano anterior, o Bangu fora o campeão, derrotando o Flamengo. Em 67, deu Botafogo. O Campeonato Carioca, a Taça Guanabara e as excursões dos clubes eram os principais assuntos em matéria de futebol. Pelé em plenitude, Garrincha já em fim de carreira, e era outro o timaço do Botafogo, que não vou recitar aqui. Anos depois, li a magistral biografia de Garrincha escrita por Ruy Castro, quando o autor, no prefácio, diz que, na decisão Botafogo e Flamengo de 62, quando o alvinegro venceu de 3 a 0 com três gols do Mané, descobriu que, além de Flamengo, era Garrincha. Poucos anos depois, vi um documentário, no qual ninguém menos que Zico diz: “Não me importava se eu era Flamengo, o que eu queria era ver o Garrincha jogar”.

Pois dia desses, na Barbearia Tradicional de Florianópolis, enquanto esperava minha vez, vi na TV comentaristas de futebol discutindo sobre quem seria o melhor jogador brasileiro depois de Pelé. Nenhum falou em Garrincha. Está certo, sou mais velho que eles, mas, se tanto quanto eles não vi o Garrincha jogar ao vivo, ouvi falar, me interessei, vi documentários, entre eles o filme “Garrincha, Alegria do Povo”, de Joaquim Pedro de Andrade, como li crônicas de Vinicius de Moraes e Nelson Rodrigues (entre tantos outros) a respeito do Anjo das Pernas Tortas.

Não é curioso? Nada entendo de futebol, me livrei do vexame dos meus passes errados quando entrei na faculdade, sou nada mais que um amador em matéria de futebol. Os tais comentaristas são profissionais disso. Sequer citaram Garrincha – segundo Ruy Castro, o craque responsável pela vitória do Brasil sobre a Áustria na segunda Copa das cinco conquistadas pelo Brasil, no mesmo 1962, em um ano em que o Botafogo representava meio time da seleção - com Pelé contundido logo no começo da Copa e Amarildo jogando em seu lugar, ao lado de Didi, Nilton Santos, Zagalo e, claro, Garrincha.

Pode-se pensar que tudo o que eu disse aqui é saudosismo de botafoguense; pois conto que, em outro dia desses, no Rio, meu amigo, flamenguista roxo, Murilo Drummond recitou o que eu não iria recitar aqui, o timaço do Botafogo campeão da Taça Guanabara e do Campeonato Carioca em 67 e 68: Cao, Moreira, Zé Carlos, Leônidas e Valtencir; Carlos Roberto e Gerson; Zequinha, Roberto, Jairzinho e Paulo Cesar. (Diga-se de passagem, Jairzinho fez gols em todos os jogos da Copa de 70, a terceira das cinco do Brasil. Nem Pelé...)

A crônica esportiva atual tem momentos que perfeitamente correspondem ao futebol que é jogado no Brasil de hoje. Que isso mude logo, que voltemos a ter seis grandes no Rio, tantos outros em outras cidades do país, e que os responsáveis pela mediocridade que tomou conta do nosso esporte favorito, da crônica aos assim chamados dirigentes, se juntem ao esquecimento, a caminho do onde-ninguém-quer-saber.

Futebol é uma doença incurável adquirida na infância. A minha se chama Botafogo.

2.08.2019

Para Bob Dylan, Geraldo Vandré e Bakunin

Triste trôpega paródia de Blowing in the wind, para Bob Dylan, Geraldo Vandré, Bakunin, e todos aqueles que vivem dispostos a viver

Quantos meninos do Flamengo vão morrer
Até que possam ser adultos?
Quantos Brumadinhos, Marianas vão sofrer
Até que caçem seus indultos?
E quantos safardanas a Bíblia vão brandir
Até que corajosos ressuscitem?

A resposta, meu amigo,
Não sopra ao vento não.
A história se faz com nossas mãos.

E quantos canalhas vão ter nossa atenção
Até que nossos olhos os desprezem?
E quantos fuzis nos amedrontarão
Até que nossos olhos os fuzilem?
E quantos iletrados vão ter que padecer
Até que afortunados se humanizem?

A resposta, meu amigo, não sopra ao vento não.
A história se faz com nossas mãos.

E quantos salvadores vão nos iludir
Até não lhes prestarmos atenção?
E quantas moças pobres serão órfãs de seus filhos
Até lhe prestarmos atenção?
E quantas AIDS, sífilis vão reaparecer
Até que a hipocrisia caia ao chão?

A resposta, meu amigo, não sopra ao vento não.
A história se faz com nossas mãos.

1.31.2019

DE CICLISTAS, CANHOTOS E OS QUASE SEMELHANTES



O ciclista está sempre no lugar errado. A calçada é do pedestre, o asfalto é do automóvel, a pista de terra é dos off road, o paralllelepppípppeddo é dos off world, a ciclovia é dos velocistas, skatetistas, equilibristas, trapezistas, mamães e papais e seus carrinhos com bebê dentro, patinetes e seus supostamente pilotos. Já o canhoto jamais conseguirá abrir uma lata com algo comestível dentro sem ajuda do corpo de bombeiros. É de se supor que pilotos de sapatos, automóveis on e off road, marcianos, heroicos e habilidosos bombeiros e todos os outros que ocupam as ciclovias em movimento em variadas velocidades, com muito mais direito que os ciclistas, sejam todos destros e assim mesmo tenham lá suas dificuldades, pois, não fosse assim, não reclamariam dos ciclistas, principalmente dos canhotos. Disso tudo se conclui que há somente duas dificuldades na vida: conviver e ficar só. Excluídos, claro, aqueles que de fato precisam dos bombeiros, heroicos bombeiros e seus quase semelhantes.


1.25.2019

MARIANA E BRUMADINHO


Mariana querida:

Há quase quatro anos tentas te recuperar da tragédia que sofreste.

Reuniões, acordos, processos, fato é que tu, tua gente, tua terra e tuas relíquias ainda sofrem,

Como todos nós sofremos, com maior distância e por isso menor intensidade.

Desde que eles descobriram o metal não vivem sem ele.

Sapatos são feitos de ou com metal,

Calças, antes eram armaduras, precisam de teares de metal, assim como as camisas,

Calcinhas e cuecas.

Penteiam os cabelos com pentes fabricados por máquinas ou ferramentas de metal.

Comem com talheres de metal, plantam e colhem com instrumentos e máquinas de metal,

Erguem suas casas com pilares, vigas de ou por meio de metal,

Serram e moldam a madeira com metal,

Do cimento misturado com areia por artefatos de metal, fazem concreto armado com metal,

Tijolos, automóveis, aviões, navios, tudo, literalmente tudo deles tem metal envolvido.

Matam-se com armas de metal.

Plástico, que vem do petróleo que vem do chão da terra e do mar,

Assim como o metal vem do subsolo do planeta,

Para extrair petróleo, refinar, distribuir, transportar,

Dele fazer plástico, usam o metal.

Onde foi que eles erraram, Mariana querida, discutem, provam que não,

Que foi o outro, que foi o projeto, a construção, a manutenção, a fiscalização

Tudo ou algo desse todo mal feito foi culpa de alguém.

Que vão reparar

E errar de novo.

Mariana querida, choro até hoje tua desgraça,

Rezo até hoje por ti.

Do teu

Brumadinho.

12.01.2018

ALGUMAS SUGESTÕES AO NOVO GOVERNO BRASILEIRO, MESMO SABENDO QUE SEQUER SERÃO CONHECIDAS, E SE CONHECIDAS, DESPREZADAS



1.       Religião. O Gênesis Bíblico e o Big Bang. Do vazio, um universo, uma humanidade, uma continuidade. O Divino e a Ciência são a mesma coisa, assim como a Criação e a Inventividade, a Imensidão e a Liberdade, o Todo e a Individualidade. Tolher a Ciência, a Inventividade, a Liberdade e a Individualidade é o mesmo que negar a Divindade.

2.       Cultura. A única coisa capaz de descrever um povo. Deixá-la reduzida a uma caixinha de um organograma corresponde a reduzir o povo a um amontoado de fósforos queimados.

3.       Doutrina. Não há uma só, nenhuma prét-à-porter ou prét-à-manger. Somos todos sob-medida, taylor-made, o Dedo Divino e Suas Impressões Digitais em cada Ser. Isso se aplica à Cultura de um Povo, portanto à sua Educação, à sua Economia.

4.       Armas. Nascemos desarmados e dependentes. Crescemos com fome, desejos, influências, ideias e a convivência. Precisamos de apoio, comida, saciedade, compartilhamento de ideias. Armas, só em casos extremos, quando o respeito à convivência se ausenta. Armas, via de regra, melhor não as termos, contra os outros, contra nós.

5.       Ideologia. Se não queremos uma, tampouco a outra.

6.       Política. Nunca nos alinhamos unilateralmente. Por que agora, a um só indivíduo, de uma só nação, dividida, ansiosa, receosa do mesmo indivíduo, inspiração de outros, danosos, nocivos, destrutivos?

7.       Livro e lugar. Nossa Carta de Princípios e Leis - nossa Constituição - tem seu lugar na Política, com P maiúsculo. Livros religiosos têm seu lugar na Religião, com R maiúsculo. Quando livro e lugar não se correspondem, tudo fica minúsculo, menor, obtuso, sórdida imbecil manipulação de religião, cultura, doutrina, armas, ideologia, política.

Somos únicos, somos um povo, por favor:

Respeito.

mariobenevides.blogspot.com.

10.18.2018

QUEM ME ACORDA


Quem me acorda é um bem-te-vi.
Duvido
Sou bem visto
Logo existo.
Visitei o primeiro veleiro de pesquisa oceânica projetado e fabricado no Brasil. Motor de popa de 200 HP para a partida, calado retrátil, painéis solares para calmarias em dias de sol. Conversei com as jovens estudantes de oceanografia Andreia e Patrícia. Contei-lhes que não mergulho por ser claustrófobo. Patrícia me disse, também tenho medo, mas a cada mergulho mais me apaixono. Parabéns, jovens oceanógrafas, bravas navegantes-mergulhadoras. Parabéns mais uma vez à Universidade Federal de Santa Catarina.
Trabalhar é preciso e viver também. Trabalhar vivendo, ora, basta perceber quem faz trabalhos dificílimos para nós, muito mais que qualquer outra atividade, por mais ciência ou tecnologia que exija, rindo e cantando. Lixeiros, por exemplo.
Às vezes me excedo
Outras me omito.
Saber o tempo certo
É quando não grito.
A quem me conhece e desconhece,
Bons projetos, trabalhos, sonhos.